SÃO PAULO, 16 de novembro de 2019
Rua Martinico Prado, 167 - Cj. 24
Higienópolis - São Paulo / SP
SEG / SEX, 08h30 - 19h00
Artigos
O que é liminar?

Liminar é a decisão proferida logo no início do processo, de caráter provisório, que visa resguardar direitos antes da discussão de mérito da causa.

Para a concessão da medida liminar, ou tutela de urgência, é necessário que sejam comprovados dois requisitos dispostos no artigo 300 do Código de Processo Civil:

Art. 300. A tutela de urgência será concedida quando houver elementos que evidenciem a probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo.

Em outras palavras, nos casos envolvendo Direito à Saúde, o deferimento de uma tutela de urgência depende da demonstração do direito do paciente, além do risco que a demora na adoção da medida pleiteada pode ensejar à sua saúde e vida.

As decisões de urgência em casos de saúde são proferidas de forma bastante célere, geralmente em até 72 horas da propositura da ação.

Assim, fica evidente que, apesar de o processo poder perdurar por longo período, o beneficiário estará em pleno gozo de seus direitos a partir da concessão da medida liminar, evitando, desta forma, a ocorrência de prejuízos e danos de difícil reparação.

Abaixo, alguns exemplos de decisões concedidas em sede liminar em ações patrocinadas pelo J&G Advogados:

“1. A tutela de urgência de natureza antecipada, prevista no artigo 300 do Novo Código de Processo Civil, exige, para a sua concessão, a presença de elementos que evidenciem a probabilidade do direito, além do perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo. Ou seja, deve haver nos autos elementos suficientemente fortes que possibilitem a formação de convicção da probabilidade de sucesso para o demandante, além do perigo da demora. Em juízo preliminar, entendo que estão presentes os requisitos legais, já que há elementos que indicam a autora possui sangramento uterino disfuncional e necessita de cirurgia em caráter de urgência sob pena de risco de anemia (fls.27). Em que pese a urgência do tratamento até a presente data o plano de saúde não se manifestou sobre o pedido, o que está colocando em risco a vida da autora. Assim, defiro a tutela de urgência para determinar que a parte requerida custeie as despesas do procedimento cirúrgico nos moldes indicados pela equipe médica que atende a autora, conforme relatório médico acostado de fls. 27, junto ao Hospital Albert Einstein, nosocômio pertencente à rede credenciada do plano, no prazo máximo de 48 (quarenta e oito), sob pena de multa diária de R$ 10.000,00.” (Processo nº 1138485-95.2016.8.26.0100 – 40ª Vara Cível – Foro Central Cível – TJSP)

“CONCEDO a ANTECIPAÇÃO de TUTELA de URGÊNCIA para DETERMINAR que a RÉ dê, em 24 horas, a necessária autorização para que o autor realize o procedimento de “Derivação por acesso Trans-Hepático com Implante de Stents” no Hospital Alemão Oswaldo Cruz, sob pena de multa diária de R$ 5.000,00.” (Processo nº 1132170-51.2016.8.26.0100 – 7ª Vara Cível – Foro Central Cível – TJSP )

“A farta documentação acostada aos autos revela, em cognição sumária, a relação contratual entre as partes – a qual obriga a ré ao fornecimento de serviços médicos e hospitalares e a necessidade de tratamento da autora beneficiária dos serviços a serem prestados pela ré. Desta forma, ante a aparente recusa da empresa contratada em dar cumprimento ao ajuste, faz-se necessário a tomada de providência urgente, visando evitar dano irreparável à consumidora que se encontra com a saúde debilitada. Presentes, pois, os requisitos do art. 300 do CPC, defiro a antecipação de tutela requerida para determinar que a ré custeie as despesas do medicamento Crizotinib 250 mg, prescrito para tratamento da doença que acomete a autora (Adenocarcinoma de Pulmão), pelo prazo necessário, conforme indicação da médica que a assiste. As providências deverão ser tomadas pela ré, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, ficando estipulada multa diária de R$ 20.000,00, a vigorar por 60 dias, em caso de descumprimento, destinando-se 90% (noventa por cento) de tal valor ao Fundo de Direitos Difusos, regulamentado pelo Decreto 1306/94, e 10% (dez por cento) à parte autora.” (Processo nº 1124468-54.2016.8.26.0100 – 42ª Vara Cível – Foro Central Cível – TJSP)

Veja também
ARTIGOS RELACIONADOS
Artigos
Ceratocone
Ler matéria
Compartilhar com
Artigos
Rol de Procedimentos da ANS
Ler matéria
Compartilhar com
Artigos
Aparelho auditivo deve ser custeado pelo plano de saúde
Ler matéria
Compartilhar com
Artigos
Cobertura de atendimento para cirurgia bariátrica – Gastroplastia
Ler matéria
Compartilhar com