SÃO PAULO, 13 de dezembro de 2017
Av. Francisco Matarazzo, 1752
cj. 1908 - Perdizes - São Paulo/ SP
SEG / SEX, 08h30 - 19h00
JGG na mídia
Taxa cobrada por obstetras é indevida

A história, na maioria dos casos, é sempre a mesma. Quando está grávida, você escolhe um ginecologista obstetra geralmente do seu plano de saúde.

Vai em uma, duas, três consultas até perceber se o “santo bate”. Às vezes troca, às vezes acerta de primeira e assim acaba dando início ao pré-natal.

Com a rotina de consultas, acaba pegando confiança no médico e fica tranquila, afinal de contas, ele é do convênio, né?

Mas quando chega lá para o sexto mês, um dia ele ou até a secretária, solta: “Então,  se você quiser fazer o parto com a gente, tem que pagar uma taxa porque não fazemos parto pelo convênio…”.

Primeiro ficamos com um ponto de interrogação gigante na cabeça, depois conversamos com algumas pessoas e percebemos que essa situação é mais comum do que imaginamos.

Na reta final da gravidez, bate uma insegurança e muitas mulheres acabam optando por pagar uma taxa pelo parto “por fora”.

Porém, o que quase ninguém sabe, é que essa cobrança é indevida. Mulheres que têm plano de saúde com cobertura obstétrica não devem pagar nada além para ter o médico de confiança à sua disposição, no momento do nascimento do bebê.

“Em caso de cobrança “por fora” feita por obstetra que integre a rede credenciada do plano, a paciente deve imediatamente informar à Operadora para que sejam adotadas as medidas necessárias. Caso a Operadora não tome nenhuma providência, a paciente deverá procurar a ANS para que seja instaurado procedimento administrativo em face da Operadora, bem como requerer o CRM para que seja instaurado processo disciplinar em face do médico” orienta o Dr. Alexandre Jubran, advogado especializado em direito da saúde. “Além dessas medidas, a paciente poderá propor Ação de Indenização em face do médico e, caso a Operadora não tenha adotado nenhuma providência em relação ao ocorrido, esta poderá ser incluída no polo passivo da ação.”

Caso já tenha pago, ainda tem como tentar recuperar esse dinheiro: “A paciente poderá propor Ação de Indenização por Danos Materiais para reaver o montante indevidamente cobrado pelo médico.”

Muitas mulheres não sabem, mas a lei assegura uma série de direitos para as gestantes e aos recém-nascidos (que devem ter atendimento garantido nos primeiros 30 dias de vida, mesmo que o parto não tenha sido realizado pelo convênio).

Eu mesma, não sabia disso…

Fonte: Correio Paulista – http://correiopaulista.com/2013/taxa-cobrada-por-obstetras-e-indevida/

Veja também
JGG NA MíDIA RELACIONADOS
JGG na mídia
Reclamação sobre cobertura dos planos de saúde aumentou 33,7% em um ano
Ler matéria
Compartilhar com
JGG na mídia
Convém judicializar a saúde?
Ler matéria
Compartilhar com
JGG na mídia
Melatonina no Brasil só com prescrição médica
Ler matéria
Compartilhar com
JGG na mídia
Planos de Saúde resistem em autorizar atendimento em domícilio aos clientes
Ler matéria
Compartilhar com